15 de nov de 2009

Você quer ler? Quer ler o quê? E como?

Esta postagem não é diretamente sobre um filme do Cinema nacional, mas é sobre algo de que não se pode fugir quando se busca aumentar o conhecimento sobre cinema ou sobre qualquer coisa.

A falta do hábito de leitura há algum tempo é algo a qual não mais se pode dar a desculpa de que “livros custam caro”, sendo uma atividade exclusiva de uma elite econômica ou intelectual.Há hoje uma gama de meios para se chegar às obras literárias, à baixo custo ou custo zero! Além da proliferação de lojas de livros usados pelas cidades de todo o Brasil, há na internet algumas formas de se encontrar aquela obra tão necessária.

Scribd: site internacional de hospedagem e compartilhamento gratuito de arquivos em .doc e .pdf. Na maioria das vezes são livros escaneados integralmente e carregados para o site de forma ilegal.

Foi através deste site que comecei a ler “Coração das Trevas” (que inspirou “Apocalipse Now”), livro esse que me deu uma vontade imensa de fugir para a Índia no começo deste ano! Logo depois encontrei um exemplar novinho num sebo e comprei. E depois de ter gasto R$50,00 no livro "História do Cinema Mundial" de Fernando Mascarelo é que fui fazer uma busca nesse site e encontrei ele em versão integral. Os últimos 5 capítulos são muito bons.

Projeto Democratização da Cultura: Uma mega comunidade que contém praticamente toda a bibliografia nacional, e muitas obras famosas estrangeiras também, além de quadrinhos, revistas, RPG e audiolivros. Há muitas formas de busca para se encontrar o que quiser e também área para fóruns de discussão e troca de arquivos. Nem todos os arquivos são ilegais, mas a maioria é. Para ter acesso basta um simples cadastro. Foi desta forma que li o conto “A 3ª margem do rio” de Guimarães Rosa, profundamente assustador!

Estante Virtual: depois de ter conhecido este site, que é um aglutinador de sebos de todo o Brasil, é cada vez mais raro eu comprar um livro novo. Mesmo tendo que pagar o frete vale muito a pena comprar neste endereço. Os mecanismos de busca são simples, pode-se procurar por título, autor, sebo, cidade ou editora.

Desta forma comprei “Larousse da Cozinha Italiana” por R$55,00 + Frete. O livro estava em excelente estado, praticamente novo. Se tivesse comprado um exemplar novo numa livraria habitual custaria no mínimo R$100,00.

Internet Archives: este recurso eu nunca aproveite plenamente, trata-se de um assustador banco de dados da cultura do mundo. É possível achar muita coisa em todas as formas: textos, livros, filmes (curtas, longas inteiros, animação) áudio, programas, além de um recurso chamado WayBack Machine que possui registrado mais de 150 bilhões de página da internet desde 1996. Aparentemente todos os arquivos são legalizados.

Viajando neste mega portal encontrei o filme "Freud - além da alma" (com roteiro escrito por Sartre, porém não creditado) legendado em português para baixar, percebi que o arquivo é ripado da TV, o que significa que as obras não são todas legalizadas, mas há um aviso de que o arquivo está em domínio público. Sei lá!

Mercado Livre - Livros: tem a mesma estrutura de compra e venda do Mercado Livre.com (bastante óbvio). Nunca comprei nenhum livro através deste endereço, mas achei um que me parece ótimo "O Cinema tem Alma?". E agora que dei uma olhada no site estou pensando em vender minhas quinquilharias aqui, os sebos da cidade estão oferecendo muito pouco pelos meus bens renegados!

Portal Domínio Público: Site oficial do Governo Federal com quase mil obras da literatura nacional em domínio público para download, tem também toda a obra de Shakespeare e até"A Divina Comédia", além de arquivos de audio, vídeo e imagens.

Recentemente o Google anunciou que irá lançar um serviço chamado Google Books, com 500 mil títulos em formato e-book para comercialização. O que existe hoje é uma forma beta deste recurso, onde você pode ter acesso livre a algumas páginas das obras e se quiser ler o livro integralmente o Google te mostra onde encontrá-lo. Mas o acervo ainda está quase todo em inglês, mas já existe muita coisa em português.

Confesso que ainda não li nenhum livro inteiro na frente do PC, só contos, pois acho isso bastante difícil, cansativo, talvez falta de hábito. Uma solução fácil é imprimir os e-books em folhas de papel reciclado ou utilizar o lado branco de apostilas que você não utiliza mais.

Também não acredito que por causa desses recursos digitais as livrarias habituais (de shopping, das esquinas, ou virtuais) desaparecerão. Pois dependendo do caso só é possível encontrar o livro querido neste tipo de estabelecimento. Por exemplo, recentemente quis comprar o “Cinema Pós Moderno Brasileiro – O Neon Realismo” de Renato Luiz Pucci Jr e só consegui encontrá-lo em exemplar novo numa livraria dessas.

Nenhum comentário: