21 de abr de 2008

OS TRINTA FILMES MAIS SIGNIFICATIVOS DO CINEMA BRASILEIRO

A referência mais antiga ao cinema brasileiro data de 1898. Afonso Segreto, a bordo do navio Brésil, tirou algumas "vistas" da Baía da Guanabara com uma câmera de filmar Lumière que acabara de adquirir em Paris. A Cinemateca Brasileira adotou este evento como marco e, dentro de seu espírito de preservar e divulgar o cinema nacional, promoveu, em 1988, urna série de atividades para celebrar os 90 anos do cinema brasileiro.

Uma delas consistiu na escolha dos 30 filmes brasileiros mais significativos, realizada através de consulta a críticos de jornais, revistas e emissoras de televisao, além de pesquisadores ligados a universidades e órgãos culturais, visando a estabelecer uma videoteca básica, para divulgação internacional.

Diferentes fases e estilos encontram-se aqui representados – o filme mudo, o Cinema Novo, as produções da Vera Cruz, o cinema intimista e o "marginal" –, dando prova da vitalidade de um cinema que superou os obstáculos à sua própria existência, surgidos ao longo dos anos.


OS FILMES (por ordem alfabética):

O assalto ao trem pagador, de Roberto Farias

O bandido da luz vermelha, de Rogérío Sganzerla

Bang bang, de Andrea Tonacci

Brasa dormida, de Humberto Mauro

Bye bye Brasil, de Carlos Diegues

Cabra marcado para morrer, de Eduardo Coutinho

Os cafajestes, de Ruy Guerra

O cangaceiro, de Lima Barreto

Deus e o diabo na terra do sol, de Glauber Rocha

O dragão da maldade contra o santo guerreiro, de Glauber Rocha

Eles não usam black-tie, de Leon Hirszman

Os fuzis, de Ruy Guerra

Ganga bruta
, de Humberto Mauro

O grande momento
, de Roberto Santos

A hora e a vez de Augusto Matraga, de Roberto Santos

Limite, de Mário Peixoto

Macunaíma, de Joaquim Pedro de Andrade

A margem, de Ozualdo Candeias

Matou a família e foi ao cinema
, de Júlio Bressane

Memórias do Cárcere, de Nelson Pereira dos Santos

Noite vazia, de Walter Hugo Khouri

O pagador de promessas, de Anselmo Duarte

Pixote - a lei do mais fraco
, de Hector Babenco

Rio quarenta graus, de Nelson Pereira dos Santos

São Bernardo, de Leon Hirszman

São Paulo Sociedade Anônima, de Luiz Sergio Person

Terra em transe, de Glauber Rocha

Toda nudez será castigada, de Arnaldo Jabor

Tudo bem, de Arnaldo Jabor

Vidas secas, de Nelson Pereira dos Santos

Nenhum comentário: